Central de vendas 31 3615-1000 31 3615-1000

Encontre seu apê ideal

CHAT
ONLINE

Eu quero
meu apê

16 jan 2017

A conquista da casa própria é um dos maiores sonhos das famílias brasileiras, mas sabemos que realizá-lo não é lá a tarefa mais fácil do mundo. Os preços são altos e quase sempre é exigido um valor considerável de entrada, e nem sempre temos a quantia à disposição.

Felizmente, existem possibilidades no mercado que nos deixam mais próximos de realizar este sonho: os financiamentos imobiliários. Além deles, alguns Bancos como a Caixa Econômica Federal e programas habitacionais como o Minha Casa Minha Vida permitem a compra de imóveis sem entrada!

Muito mais simples do que você imaginou, certo?

Pensando nisso, preparamos um artigo completo sobre financiamento com prestação decrescente. Ao final dele, você vai entender direitinho tudo o que você precisa saber sobre essa modalidade de operação!

Quer saber mais sobre o assunto, não é mesmo? Então, confira nosso artigo de hoje e tire suas dúvidas!

Explicando o financiamento com prestação decrescente

O financiamento com prestação decrescente é conhecido no mercado pelo nome Sistema de Amortização Constante (SAC). Como a própria palavra “decrescente” sugere, nessa modalidade, o valor das parcelas vai sendo reduzido à medida que os pagamentos vão sendo feitos à instituição financeira.

A conclusão natural a que se chega é que, a cada pagamento, o valor que você paga em sua parcela diminui. Pode até parecer um pouco estranho, mas é porque já estamos acostumados a parcelamentos fixos, que são mais comuns em compras com o nosso cartão de crédito, por exemplo.

Então, vamos com calma, pois não queremos deixar dúvidas em aberto, não é mesmo? Para deixar tudo mais claro, explicaremos abaixo do que é composto o valor de cada prestação e o que acontece quando as amortizações do financiamento são feitas.

Como é feita a composição das prestações de um financiamento

Quando fazemos a contratação de um financiamento, é bom que saibamos qual a melhor modalidade para o nosso perfil de consumo. Uma vez que bancos não são instituições de caridade, eles vão cobrar uma remuneração sobre o valor que você pegou emprestado.

Dessa forma, se você pegar algum dinheiro emprestado, deverá devolver esses recursos à instituição financeira com o acréscimo de juros, encargos e demais taxas estabelecidas em contrato. Isso é uma espécie de remuneração cobrada pelo fato de ter disponibilizado o dinheiro para compra do imóvel de uma só vez.

Sabemos que tudo ainda pode estar um pouco confuso. Portanto, para facilitar a explicação, abordaremos o conceito de amortização e daremos um exemplo prático de simulação de um financiamento utilizando a Tabela SAC.

Continue conosco!

Amortizando o financiamento pela Tabela SAC

A amortização nada mais é do que o pagamento da sua dívida junto ao banco. Simples, né? Na Tabela SAC, o valor mensal amortizado é sempre fixo e, portanto, não inclui os juros cobrados pelo banco na operação do financiamento.

Guarde essas informações porque são muito importantes para entender a lógica de redução no valor das parcelas.

Como já dissemos, na Tabela SAC, os valores pagos têm prestação decrescente. Isso ocorre pelo fato de que, à medida que se amortiza a dívida, ela se torna menor, e os juros incidem justamente sobre o valor total do que se deve à instituição financeira.

Para facilitar a compreensão, veja abaixo a lógica por trás desse sistema. Ela compara as três primeiras parcelas e as três últimas em um financiamento de 100 mil reais em 360 meses:

Nº.Valor da PrestaçãoJurosAmortizaçãoSaldo devedor
1R$ 998,51R$ 720,73R$ 277,78R$ 99.722,22
2R$ 996,51R$ 718,73R$ 277,78R$ 99.444,44
3R$ 994,51R$ 716,73R$ 277,78R$ 99.166,67
358R$ 283,78R$ 6,01R$ 277,78R$ 555,56
359R$ 281,78R$ 4,00R$ 277,78R$ 277,78
360R$ 279,78R$ 2,00R$ 277,78R$ 0,00

Nota-se que a Tabela SAC é explicada pelas seguintes variáveis.

  • O valor da amortização é sempre fixo, e refere-se ao valor que efetivamente se pegou emprestado.
  • Há cobrança de juros pelo capital que o banco colocou a sua disposição, que, no caso, foi de 9% ao ano. Os juros incidem sobre o saldo devedor.
  • O valor mensal da prestação é decrescente e, à medida que a dívida é amortizada, o valor pago em juros vai sendo reduzido.

O que considerar ao optar pelo sistema SAC

Pela simulação que fizemos, você percebeu que, no início, o valor que se paga no sistema de prestação decrescente é um pouco alto e pode pesar o bolso. No entanto, com o passar dos anos, o valor das parcelas vai reduzindo e isso proporciona certo alívio financeiro.

Portanto, ao escolher essa opção, é fundamental que o comprador faça um planejamento e certifique-se de que os valores iniciais caibam em seu orçamento mensal. Caso contrário, o sonho da casa própria pode se tornar um pesadelo em forma de dívidas!

Em síntese, podemos identificar as seguintes vantagens da modalidade:

  • O valor mensal gasto com cada parcela reduz ao longo do tempo;
  • Com o passar dos anos, as parcelas pagas serão menores do que valores pagos em aluguéis de imóveis no mercado;
  • É um sistema que, no final, implica em pagamento de juros em montante menor do que na tabela rival, a Price

Esses fatores são bem interessantes, sobretudo para casais em início de vida conjunta. Como algumas pessoas pensam em filhos, a redução gradual das parcelas é um ótimo atrativo. Diferentemente de sistemas com valor fixo de parcelas, pela Tabela SAC, seu orçamento é progressivamente desonerado, sobrando mais dinheiro para as despesas que surgem à medida que a criança cresce.

O sistema de prestação decrescente é um dos mais populares, mas não significa que seja o ideal para você. É preciso avaliar as outras opções disponíveis no mercado, como o Sistema Price e o Sistema de Amortização Crescente (Sacre). Cada um deles tem suas vantagens e cabe a você escolher o melhor para o seu caso e situação financeira.

E aí, gostou de saber mais sobre essa modalidade de financiamento? Então não deixe de conferir nossas dicas para planejar suas finanças e comprar um imóvel na planta!

Posts Relacionados