Central de vendas 31 3615-1000 31 99807-0988

Encontre seu apê ideal

CHAT
ONLINE

Eu quero
meu apê

17 out 2016

Comprar um imóvel na planta é uma decisão que exige bastante planejamento, principalmente pela situação atual do país. Mesmo assim, esse não deixa de ser o grande desejo de todo brasileiro que vive de aluguel. É possível tornar esse sonho em realidade se você estiver disposto a investir, não só dinheiro, mas também tempo e disciplina.

Quando tomamos a decisão de comprar um imóvel, seja pronto ou na planta, a primeira coisa que precisa ser feita é um orçamento completo das despesas e dívidas da família. Dessa forma, é possível identificar, antes de qualquer outro passo, qual será a capacidade de investimento para efetuar a compra. É importante que os objetivos sejam compatíveis com seu potencial para pagamento, senão há uma grande chance de inadimplência. 

Quer estar seguro na hora de fazer o investimento em um imóvel na planta? Confira algumas dicas para ajudá-lo a planejar as suas finanças!

Tenha disciplina

Pagamentos a longo prazo exigem paciência e disciplina. Uma dica para ajudá-lo é que você guarde o valor da parcela por dois ou três meses, para descobrir se terá disciplina para não se endividar com o passar do tempo. Você deve definir quanto vai gastar e planejar como irá guardar o dinheiro necessário. Leve em consideração que os rendimentos podem mudar dentro desse período.

Guarde o máximo que puder

Se você não for comprar à vista, o mínimo que você precisa ter é um terço do valor do imóvel para a entrada antes de contratar um financiamento. Dessa forma, poderá diminuir o prazo da operação – em geral, o recomendado é de 15 anos – e reduzir os juros a pagar. Lembre-se: quanto maior o valor inicial investido, menores os prazos e parcelas.

Escolha o imóvel que você precisa

Analise sua vida em um período de 8 anos, pensando em quais são as principais mudanças que poderão ocorrer nesse período: vai casar, vai ter filhos, estará trabalhando no mesmo local? Dentro desse cenário, mais a de longo prazo, você poderá identificar melhor quais serão suas necessidades para tomar uma decisão mais adequada.

Outro aspecto importante é, de acordo com o seu salário, até quanto você poderá gastar nesta aquisição. Por exemplo, tendo um salário de R$ 3 mil reais é possível que você não consiga comprar um imóvel de R$ 1 milhão, talvez deva procurar algo em torno de R$ 100 mil a R$ 200 mil.

Compare as taxas de juros

Taxas de juros podem variar bastante dependendo do banco. Fique atento a diferenças nas taxas, que podem impactar muito no valor final da transação. Por exemplo, uma diferença de 3% na taxa de juros pode elevar o preço total do imóvel em 25%.

O recomendado é fazer o financiamento com valores baixos, uma vez que a taxa de juros está alta, e é fundamental que as parcelas não comprometam mais que 25% da renda familiar. Esse planejamento precisa ser feito o mais cedo possível, diminuindo as chances de imprevistos.  

Fique atento ao aumento das parcelas

É importante destacar que o valor das parcelas será corrigido durante a construção, de acordo com o INCC (Índice Nacional da Construção Civil). Porém, é proibido incluir juros antes da entrega das chaves.

A correção pelo INCC é legal, mas deve ser bem explicada ao comprador. Essa correção incide sobre o saldo devedor e isso aumentará a dívida dentro do prazo de pagamento.

Nesses casos, o ideal é que a parcela seja 1% do valor do imóvel ao mês, pois um saldo devedor muito alto pode impedir o financiamento. Para que a prestação não ultrapasse sua capacidade financeira, é importante fazer uma projeção do total de parcelas, da primeira à última, tanto para financiamento com o banco, quanto com a construtora. É importante que o valor da parcela não comprometa mais que 30% do orçamento da família.

Não se esqueça dos custos da transação

Não basta pagar somente o financiamento. Existem impostos e taxas que fazem parte do processo e precisam entrar no planejamento. É o caso do ITBI (Imposto sobre Transações Imobiliárias) e da escritura no cartório, que são pagas pelo comprador. Saiba também que a comissão do corretor deve ser paga pela construtora, ou seja, não aceite pagar nenhum valor que não esteja no contrato.

Pesquise sobre a construtora

Não importa o imóvel que está sendo adquirido. O comprador sempre deverá pesquisar o histórico da construtora e da imobiliária que estão intermediando o negócio. Lembre-se que é seu direito exigir toda a documentação e comprovação necessária sobre os registros legais do imóvel. Além disso, visite a obra sempre que possível e certifique-se que tudo está correndo dentro da normalidade.

Preste muita atenção ao contrato

Mesmo antes da elaboração do contrato, tenha todos os itens acordados em uma proposta. No documento final, deve constar: data de entrega da obra; multa pelo atraso da entrega (que deverá ser de 2% mais juros de mora, sendo igual à cobrança, se houver atraso do pagamento do comprador); formas de pagamento e correções; se houver aprovação de financiamento em alguma instituição bancária e quais as condições para adquirir; metragens da unidade adquirida (incluindo o pé direito do imóvel).

Antes de assinar o contrato

É necessário que você tenha uma planilha com todos os gastos da família para saber se será possível arcar com um financiamento imobiliário. Inclua custos de condomínio e móveis para a casa. Pesquise a construtora, o local onde o imóvel está localizado, saiba se a estrutura do local atenderá as suas necessidades.

Lembre-se também que um imóvel na planta, muitas vezes, é entregue sem acabamentos, o que vai trazer custos com materiais e mão de obra. Além disso, fique muito atento aos prazos de entrega das chaves e na vistoria, que é o momento onde você deverá exigir tudo o que foi prometido, bem como verificar a qualidade do que está sendo entregue. Dessa forma, você poderá planejar suas finanças e comprar seu imóvel na planta com mais tranquilidade.

Quer saber mais sobre esse ou outros assuntos? Acesse o nosso blog!

Posts Relacionados